quarta-feira, 12 de maio de 2010

Grécia, a explosiva combinação entre as crises econômica, política e social

A Grécia tem sido ponto destacado nos noticiários das últimas semanas, em especial no dia 5 de maio de 2010. As manchetes abordam a profunda crise econômica do país, o enorme déficit público, o tamanho de sua dívida pública e a possibilidade de moratória. Ou então as mobilizações populares contra o Plano de Austeridade exigido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para concessão de empréstimo ao governo grego. Entretanto, não aparece através da grande mídia a correlação entre essas crises.

Na atual crise econômica mundial que estourou em 2007, os governos ao redor do mundo usaram o mesmo receituário: corte de verbas nas áreas sociais, aumento das demissões, diminuição dos investimentos, aumento de impostos, absorção por parte do Estado de dívidas de grandes corporações, a exemplo da estatização da General Motors por parte do governo Obama.

Diversos analistas apontaram o fim da crise e a retomada, mesmo que tímida, do crescimento econômico em escala mundial. Neste momento, vem a Grécia e desmente tudo.

A Grécia faz parte da Zona do Euro, portanto a crise grega é a crise das maiores economias europeias. Vejamos dois dados fundamentais: a Grécia possui um déficit público em cerca de 13% do PIB e sua dívida pública corresponde a 400 bilhões de euros, o equivalente a 115% do PIB. Para o ingresso na Zona do Euro, os países se comprometem a manter o déficit público em, no máximo, 3% do PIB e a dívida possui teto de 60% do PIB. O que se verifica, portanto, é que houve uma maquiagem das contas gregas para que se mantivessem os índices de confiabilidade para investidores/especuladores seguirem atuando na Grécia às custas do aumento do rombo das contas públicas. O Goldman Sachs, banco dos EUA, foi o responsável pela manipulação destes números.

O mais interessante do ponto de vista econômico que nos remete diretamente à crise política e social é conhecer quem são os credores da dívida grega e porquê os “mercados” temem tanto a moratória. Banqueiros alemães, franceses e italianos detêm grande parte dos títulos da dívida grega. Eles são o destino dos 110 bilhões de euros emprestados à Grécia pelo FMI e pela União Europeia. Tudo para garantir que os banqueiros sigam multibilionários às custas do sofrimento do povo grego. A crise social se expressa aqui.

A contrapartida do FMI à Grécia é a aplicação de um severo programa de ajuste fiscal, aprovado no Parlamento no último dia 5. Aumento de impostos de 25% sobre a circulação de mercadorias, diminuição geral dos salários, corte dos 13º e 14º salários do funcionalismo público, aumento do tempo de contribuição para a aposentadoria. As condições de vida serão nitidamente diminuídas. Haverá restrição ao crédito de micro e pequenos empresários. Aumentará a pressão contra os inadimplentes, provavelmente com o confisco de bens. Haverá disparada de preços e diminuição imediata e de alto impacto do poder de compra. O esfriamento do consumo, levará a um enxugamento da produção. A tendência é o aumento do desemprego.

A lógica que os sucessivos governos gregos estabeleceram é a de defender o estado de bem estar dos altos lucros e padrão de vida bilionário dos banqueiros europeus nem que para isso seja necessário um aumento da miséria e da precariedade da vida do povo grego.

Essas medidas desencadearam a crise política que gerou forte rejeição ao governo por parte do povo e que impulsionou a greve geral no dia da votação do Plano de Austeridade. Centrais sindicais e partidos de esquerda organizaram as mobilizações que contaram com 300 mil manifestantes em Atenas – que possui 3,7 milhões de habitantes em sua região metropolitana – e outros 30 mil em Salônica, importante cidade portuária com cerca de 750 mil habitantes.

Os gritos de “Fora FMI” estão nas ruas da Grécia. Especula-se, porém, a possiiblidade de uma “argentinização” do país. As mobilizações multitudinárias de dezembro de 2001 conhecidas como “Argentinazo” derrubaram 5 presidentes em uma semana. As passeatas foram a resposta ao Corralito, plano do Ministro da Economia Domingo Cavallo, que restringia os saques de dinheiro das contas correntes. Os argentinos ecoaram que se vayan todos em referência aos políticos, à Suprema Corte de Justiça e aos banqueiros. Esse é um dos medos das elites gregas e europeias.

As diversas crises instaladas na Grécia têm correspondência semelhante e imediata também em Portugal, na Espanha. Esses três países juntos com Itália e Irlanda formam os PIIGS, sigla em inglês que corresponde aos cinco países com as dificuldades econômicas mais significativas na União Europeia. Aqui se expressa outro temor: de que a crise grega se reproduza na Península Ibérica, na Irlanda e na Itália.

Esse ambiente de total instabilidade de fato abre um cenário de imensas possibilidades. Lembremos que em dezembro de 2008 as mobilizações, devido à morte de um adolescente por parte de abuso da força policial, foram decisivas para derrotar o governo da Nova Democracia, partido conservador, substituído nas eleições gerais de outubro de 2009 pelos socialistas do PASOK, sigla em grego que significa Movimento Socialista Pan-Helênico. O governo do socialista Giorgous Papandreau impôs o Plano de Austeridade. Essa situação levou os dois partidos mais fortes da Grécia, que juntos possuem 251 das 300 cadeiras do Parlamento, a ter amplo rechaço popular.

Há unidade de ação na construção das mobilizações entre o Partido Comunista Grego, que possui 21 deputados, e a Coalizão da Esquerda Radical, encabeçado pelo Synaspismos, com 13 deputados.

Nós do PSOL, através da Secretaria de Relações Internacionais, temos contato com este último partido, presidido pelo jovem Alexis Tsipras de 33 anos.

Aqui do Brasil denunciamos o papel do governo Lula. O presidente brasileiro enviou US$ 286 milhões ao FMI que remeterá à Grécia. Na verdade, Lula ajudou a garantir os lucros bilionários dos banqueiros franceses e alemães. Ao mesmo tempo deu, além do dinheiro, respaldo político para o FMI exigir o Plano de Austeridade que assola o povo da Grécia.

Se não podemos prever que o rumo desta crise será o socialismo, também não podemos negar que o espectro do comunismo segue rondando a Europa. A mensagem vem da Acrópole, na qual faixas diziam, em grego e inglês, “Povos da Europa, levantem-se”. Para quem esqueceu, a Acropóle era o lugar do templo de Atena, a deusa grega da guerra justa. E não há maior justiça que aquela em prol da maioria. E tudo isso no mesmo 5 de maio, dia de nascimento de Karl Marx.

Fontes: Fundação Lauro Campos, Agência EFE, CartaCapital (edição 595), The Economist, Wikipédia, G1, Página 12 e Synaspismos.

Nenhum comentário: